quinta-feira, 12 de julho de 2012

Síndrome de Ondina: Mitologia & Distúrbio Respiratório

Havia uma ninfa da água muito formosa chamada Ondina que, assim como todas as ninfas, era imortal. O acontecimento capaz de ameaçar sua felicidade eterna seria apaixonar-se por um mortal e ter um filho. Isto lhe ocasionaria a perda da beleza e da imortalidade.

Ondina Sonhando. Gonzalo Juliani.
Lawrence, um audaz cavaleiro mortal, conquistou o coração de Ondina e esta, apaixonada, confidenciou-lhe o que a relação entre os dois poderia custar. Ele, para demonstrar todo o amor que sentia, afirmou: “Sempre que estiver acordado e cada vez que eu respirar, meu pensamento será de lhe amar e lhe ser fiel”.

Um ano após o casamento, nasceu o filho do casal. A partir do momento em que se tornou mãe, Ondina passou a envelhecer, como qualquer mortal. Enquanto os atrativos físicos da ninfa desvaneciam, diminuía o interesse de Lawrence pela esposa.

Uma tarde, quando Ondina caminhava próximo ao estábulo, escutou uns gemidos que lhe soaram como sendo do seu marido e, ao entrar no local, viu Lawrence nos braços de outra mulher. Ondina, fitando seu marido, sentenciou:

“Você me jurou a fidelidade a cada respiração. Eu aceitei a sua promessa. Assim seja, permaneça acordado para lembrar de respirar, pois se acaso você dormir, sua respiração não ocorrerá e morrerá!”.

 Lawrence se viu condenado a manter-se acordado para sempre.

O termo médico Maldição de Ondina, tomado da clássica obra da mitologia nórdica Ondina (1811), de Friedrich La Motte Fouqué, designa uma doença genética raríssima causada por uma mutação no gene PHOX2B localizado no cromossomo 4, que gera uma desordem no sistema nervoso central desativando o controle automático da respiração durante a fase REM do sono, ou seja, assim que a pessoa que tem a síndrome dorme, ela para de respirar.

Fisiologicamente, sofremos hipopneias durante o sono. A cada apneia, os níveis de CO2 aumentam e os de O2 diminuem, deflagrando novo movimento inspiratório. Descrita em 1962 por Severinghaus e Mitchell, a Síndrome de Ondina (também conhecida como Maldição de Ondina, Síndrome da Hipoventilação Central Congênita ou Hipoventilação Alveolar Primária) é uma condição que compromete o sistema nervoso autônomo (SNA) provocando uma insensibilidade em detectar aumento de CO2 e diminuição de O2, indutores do estímulo que deve atingir o centro respiratório situado no Tronco Encefálico. O controle voluntário permanece intacto. Está presente desde o nascimento e necessita de suporte ventilatório durante o sono; em um terço dos pacientes existe dependência ventilatória 24 horas por dia.

É preferível utilizar o termo Síndrome Central Congênita ou Hipoventilação Alveolar Primária a Maldição de Ondina, em função do aspecto trágico e sombrio da sua origem, ligada a lenda de uma maldição.

REFERÊNCIAS: 
1.Assencio-Ferreira, V, Silveira,M. “Era uma vez Ondina: Relato de caso”. Distúrb Comun, São Paulo, 21(3): 385-389, dezembro, 2009. 
2.Garzón, F. Raggio, V. "Maldición de Ondina:presentación de un caso clínico." Arch Pediatr Urug 2007; 78(1): 29-34

15 comentários:

  1. Gosto de seu blog...sempre o leio. Gostei demais desse post. Tenho problemas respiratórios..e tudo relacionado me interessa.
    abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Margot, será sempre bem vinda neste espaço! Abraços

      Excluir
  2. ... este tipo de história ajuda a sedimentar informação e conhecimento. É bem legal!!!

    ResponderExcluir
  3. O teu blog é muito bacana. Eu adorei todos os posts que consegui ler ate agora. Até encontrar este espaço aqui não fazia ideia de quantas historias haviam que estavam relacionadas à medicina. Serio. Adorei. Parabéns.

    ResponderExcluir
  4. Oi Flor,
    a medicina tem mesmo histórias interessantissimas.
    que bom que gostou dos textos! Obrigada!! Abraços

    ResponderExcluir
  5. Eu tenho essa doença, bem de forma leve como dizem, mais quando eu fumava maconha(parei) eu esquecia de respirar e quando tava tentando dormir e quase conseguindo eu sentia que eu tava em sensação de queda quase morrendo como se as vezes tambem eu estivesse girando sei la algo parecido ai tinha que ficar lembrando de respirar e não conseguia dormir tinha que esperar o efeito da maconha passar pra essa doença nao ficar tão agravada e ai dormir

    ResponderExcluir
  6. Eu tenho essa doença, bem de forma leve como dizem, mais quando eu fumava maconha(parei) eu esquecia de respirar e quando tava tentando dormir e quase conseguindo eu sentia que eu tava em sensação de queda quase morrendo como se as vezes tambem eu estivesse girando sei la algo parecido ai tinha que ficar lembrando de respirar e não conseguia dormir tinha que esperar o efeito da maconha passar pra essa doença nao ficar tão agravada e ai dormir

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. Senhor wesley, você me concederia uma entrevista via email relatando seu dia a dia convivendo com a doença ?
      contato caso tenha interesse : lanynfree@gmail.com

      Excluir
    3. Senhor wesley, você me concederia uma entrevista via email relatando seu dia a dia convivendo com a doença ?
      contato caso tenha interesse : lanynfree@gmail.com

      Excluir
  7. Lindo e meu trabalho de genética to tão ansiosa adoro mitologia (ღ˘⌣˘ღ)

    ResponderExcluir