sexta-feira, 23 de julho de 2010

Epilepsia na Bíblia

Etimologicamente, a palavra epilepsia significa “ser invadido e abatido”. Nos dias atuais, existe ainda muito preconceito em torno desta condição neurológica crônica, e não são poucos os que acreditam que os portadores da síndrome estão, no momento da crise, sob domínio de demônios. Grande parte desse estigma deve-se ao “endemoninhado” citado no livro sagrado. A bíblia relata o caso de um jovem que, por apresentar crises epilépticas generalizadas, é levado a Jesus em busca de cura. A história do “menino lunático” aparece no evangelho de Mateus (17:14-18) e de Lucas (9:38-42), porém, encontramos uma descrição mais detalhada da crise no livro de Marcos:
E um da multidão, respondendo, disse: Mestre, trouxe-te o meu filho, que tem um espírito mudo; E este, onde quer que o apanha, despedaça-o, e ele espuma, e range os dentes, e vai definhando; e eu disse aos teus discípulos que o expulsassem, e não puderam.E ele, respondendo-lhes, disse: O geração incrédula! até quando estarei convosco? até quando vos sofrerei ainda? Trazei-mo.E trouxeram-lho; e quando ele o viu, logo o espírito o agitou com violência, e, caindo o endemoninhado por terra, revolvia-se, escumando.E perguntou ao pai dele: Quanto tempo há que lhe sucede isto? E ele disse-lhe: Desde a infância.E muitas vezes o tem lançado no fogo, e na água, para o destruir; mas, se tu podes fazer alguma coisa, tem compaixão de nós, e ajuda-nos.E Jesus disse-lhe: Se tu podes crer, tudo é possível ao que crê.E logo o pai do menino, clamando, com lágrimas, disse: Eu creio, Senhor! ajuda a minha incredulidade.E Jesus, vendo que a multidão concorria, repreendeu o espírito imundo, dizendo-lhe: Espírito mudo e surdo, eu te ordeno: Sai dele, e não entres mais nele.E ele, clamando, e agitando-o com violência, saiu; e ficou o menino como morto, de tal maneira que muitos diziam que estava morto. (MC 9:17-26)

REFERÊNCIAS:
Bíblia Sagrada - Tradução de João Ferreira de Almeida‎

3 comentários:

  1. Sempre me chamou atenção,ao ler os evangelhos,esses ataques dos "demônios","espíritos imundos".Pena que a maioria das pessoas,e a Igreja ajudou muito isso,confunde a linguagem bíblica,principalmente no primeiro testamento,com a linguagem real.

    ResponderExcluir
  2. Na Roma antiga quando alguem tinha uma crise epiléptica nas dependências do salão famoso senado, este era exaustivamente lavado e trancado por três dias. Em 1977 tive uma crise durante um show da Gal Costa realizado no teatro da cidade onde moro, Teresina; o show foi interrompido e dois soldados da polícia, depois de me espancarem, mesmo eu desmaiado, me arrastaram pelos pés e me ''prenderam''. Depois de muita insistência do meu irmão fui "liberado"(eu ainda desacordado). O trauma que isso me deixou foi tão grande que, durante décadas, toda vez que eu tinha uma crise minha primeira reação, meio incosciente, ao despertar um pouco da crise era correr, correr para não se espancado. A epilepsia só fica atrás da AIDS em matéria de rejeição social, segundo pesquisa premiada da Dra. Paula Vasconcelos.

    ResponderExcluir
  3. Estou com um membro que sofre desse mal , e quando ataca na congregação o povo fica receios com medo do rapaz imaginando que ele esteja endemoniado.
    Fico triste ao ver o rapaz em um canto isolado adorando só porque a maioria acha que o mesmo tem demônios. Que contradição.

    ResponderExcluir